O vento é evento da natureza, e como tal não gera dever de indenizar. Assim, se o vento foi a causa única da queda da motocicleta, não poderá ensejar dever de indenizar ao dono da segunda motocicleta derrubada.

Assim, cada um ficará com seu prejuízo.

Não é o caso, contudo, se houver concorrência de causas, como, por exemplo, que a motocicleta que caiu sobre a outra estivesse mal estacionada, em local inadequado, ou sem os mecanismos necessários a manter sua estabilidade.

Neste caso, há responsabilidade decorrente de culpa, por negligência ou imprudência, conforme o caso.