Também chamado de regime legal ou supletivo, o regime da comunhão parcial de bens estabelece a comunhão dos bens adquiridos na constância do casamento, e a separação dos adquiridos antes da celebração do vínculo. Ou seja, os bens adquiridos durante o casamento são de propriedade de ambos os cônjuges, em partes iguais, mesmo que comprados por um apenas, ou em nome de um deles apenas. É o regime que prevalece quando os noivos, na habilitação para o casamento, não estabelecem regime diverso. Conforme o art. 1.660 do Código Civil, neste regime entram na comunhão de bens:

I – os bens adquiridos na constância do casamento por título oneroso, ainda que só em nome de um dos cônjuges;

II – os bens adquiridos por fato eventual, com ou sem o concurso de trabalho ou despesa anterior;

III – os bens adquiridos por doação, herança ou legado, em favor de ambos os cônjuges;

IV – as benfeitorias em bens particulares de cada cônjuge;

V – os frutos dos bens comuns, ou dos particulares de cada cônjuge, percebidos na constância do casamento, ou pendentes ao tempo de cessar a comunhão.

Além dos bens adquiridos antes do casamento, excluem-se da comunhão, na forma do que dispõe expressamente o art. 1.659 do Código Civil:

I – os bens que cada cônjuge possuir ao casar, e os que lhe sobrevierem, na constância do casamento, por doação ou sucessão (herança), e os sub-rogados em seu lugar (p. ex. compra um bem com o dinheiro da venda de outro recebido em herança);

II – os bens adquiridos com valores exclusivamente pertencentes a um dos cônjuges em sub-rogação dos bens particulares;

III – as obrigações anteriores ao casamento;

IV – as obrigações provenientes de atos ilícitos, salvo reversão em proveito do casal;

V – os bens de uso pessoal, os livros e instrumentos de profissão;

VI – os proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge;

VII – as pensões, meios-soldos, montepios e outras rendas semelhantes.

Excluem-se também “os bens cuja aquisição tiver por título uma causa anterior ao casamento” (art. 1661, CC).

Conforme estabelece o parágrafo único do artigo 1.640 do Código Civil, a opção do casal pelo regime da comunhão parcial é formalizada por meio de declaração ni processo de habilitação para o casamento. Na escolha de qualquer outro regime de bens pelo casal, deverá ser feito o pacto antenupcial através de escritura pública.

Exemplos do entendimento do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro a respeito do tema:

0150432-43.2011.8.19.0001 – APELAÇÃO – DES. CLAUDIA PIRES – Julgamento: 30/01/2013 – SEXTA CÂMARA CÍVEL – APELAÇÃO CÍVEL. Ação de divórcio direto. Casamento, realizado em 2005. Regime da comunhão parcial dos bens. Aquisição de bem imóvel, em 2007, pelo valor de R$200.000,00 (duzentos mil reais). Sub-rogação da quantia de R$150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais). Imóvel, doado ao varão por sua avó, em 1990. Comprovação de realização de empréstimo para o pagamento da quantia de R$50.000,00 (cinqüenta mil reais). Presunção de participação comum. Sentença que determinou que, o valor de R$150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais) seja considerado em sub-rogação de bem anterior, em favor do varão. Comprovação de que, o casal, durante a constância do casamento, arcou com o pagamento do empréstimo, devendo ser o imóvel partilhado entre os cônjuges. Se houve aporte de dinheiro não importa a valorização do imóvel. A sub-rogação é somente da quantia, utilizada para a compra do imóvel, não devendo ser considerada a suposta valorização do imóvel. Manutenção da sentença. Desprovimento do apelo.

0060395-36.2012.8.19.0000 – AGRAVO DE INSTRUMENTO – DES. PAULO MAURICIO PEREIRA – Julgamento: 23/01/2013 – QUARTA CÂMARA CÍVEL – DIREITO CIVIL. DIVÓRCIO. COMUNHÃO PARCIAL DE BENS. PARTILHA. RECURSOS DO FGTS E DE FUNDO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. COMUNICABILIDADE. – 1. Casamento realizado sob a égide do Cód. Civil de 1916. Previsão de comunhão dos frutos civis do trabalho (art. 271, VI). – 2. Ademais, os valores respectivos foram sacados antes do desfazimento do casamento e aplicados em fundos de investimentos, assim ingressando no patrimônio comum do casal, tornando-se partilhável. – 3. Antecedentes jurisprudenciais. – 4. Recurso desprovido, com ressalvas.

Veja também:

Como é a administração dos bens do casal, no casamento?

O que é o regime de bens no casamento e quais os seus princípios?

Como funciona o regime da separação convencional de bens? (separação "total")

Como funciona o regime da comunhão universal de bens?

Como funciona o regime da participação final nos aqüestos?

O que é pacto antenupcial?