Os deveres dos pais são quanto à pessoa dos filhos e quanto ao patrimônio dos filhos. Decorrem do poder familiar.

Quanto à pessoa dos filhos, o poder familiar importa em (art. 1.634, CC):

I – dirigir-lhes a criação e educação;

II – tê-los em sua companhia e guarda;

III – conceder-lhes ou negar-lhes consentimento para casarem;

IV – nomear-lhes tutor por testamento ou documento autêntico, se o outro dos pais não lhe sobreviver, ou o sobrevivo não puder exercer o poder familiar;

V – representá-los, até aos dezesseis anos, nos atos da vida civil, e assisti-los, após essa idade, nos atos em que forem partes, suprindo-lhes o consentimento;

VI – reclamá-los de quem ilegalmente os detenha;

VII – exigir que lhes prestem obediência, respeito e os serviços próprios de sua idade e condição.

Destes poderes-deveres, extraem-se algumas importantes consequências: o descumprimento do inciso I do dispositivo legal configura o crime de abandono intelectual, na forma do art. 246, do Código Penal. A presunção de responsabilidade dos pais pelos atos dos filhos decorre da guarda que devem exercer sobre eles, o que possibilita o exercício de vigilância. Assim, respondem os genitores, ainda que apenas um tenha a guarda do filho, pelos atos dos filhos menores, na forma do art. 932, I, do Código Civil.

Em relação aos “serviços próprios de sua idade”, há certo consenso em doutrina que se trata, não da exploração do trabalho do menor em atividades produtivas ou que gerem renda, mas nos serviços domésticos, como forma de nele desenvolver a participação na vida doméstica, e desde que sem prejuízo a sua formação e educação.

Quanto aos bens dos filhos, dispõe o art. 1.689, Código Civil:

Art. 1.689. O pai e a mãe, enquanto no exercício do poder familiar:

I – são usufrutuários dos bens dos filhos;

II – têm a administração dos bens dos filhos menores sob sua autoridade.

Significa que pai e mãe são coadministradores e cousufrutuários do patrimônio dos filhos, em igualdade de condições. Têm, por isso, a guarda, o cuidado e a gerência dos bens dos filhos, assim como sua representação (se os filhos tiverem menos de 16 anos) ou assistência (entre 16 e 18). Alguns bens, contudo, são excluídos deste usufruto (direito de uso dos bens dos filhos, exercendo sobre eles a posse direta). São eles, na forma do art. 1.693, do Código Civil:

I – os bens adquiridos pelo filho havido fora do casamento, antes do reconhecimento;

II – os valores auferidos pelo filho maior de dezesseis anos, no exercício de atividade profissional e os bens com tais recursos adquiridos;

III – os bens deixados ou doados ao filho, sob a condição de não serem usufruídos, ou administrados, pelos pais;

IV – os bens que aos filhos couberem na herança, quando os pais forem excluídos da sucessão.

Como decorre de lei, o usufruto não precisa ser levado a registro, assim como não é prestada caução (garantia), nem são prestadas contas da administração feita. Porém, atos de disposição, que extrapolem a simples administração, não estão englobados, e para tanto os pais deverão obter autorização judicial. Assim dispõe o art. 1.691, do Código Civil: “Não podem os pais alienar, ou gravar de ônus real os imóveis dos filhos, nem contrair, em nome deles, obrigações que ultrapassem os limites da simples administração, salvo por necessidade ou evidente interesse da prole, mediante prévia autorização do juiz”.

Havendo divergências entre os pais, qualquer deles poderá buscar tutela jurisdicional para decidir a questão.

Veja também:

Como acaba o poder familiar?

Outras respostas que podem interessar: